História da fotografia: Daguerre imagens
 

  Conta de usuário  
   Para fotos    Para vídeo  Download   Comprar   Tutorial   Suporte   Quem Somos  
en  fr  de  es  pt  it  jp  ru  
 

Artigos

História da fotografia: Daguerre imagens

 

DAGUERRE Louis Jacques Mandé (18 de novembro de 1787, Cormeilles, França - 10 julho de 1851, Bry-sur-Marne) era um artista francês e inventor, e um dos criadores da fotografia. Desenvolveu (com a ajuda dos experimentos de Nièpce) o primeiro método prático relevante fotografia - daguerrótipo (1839).

Daguerre Louis Jacques Mandé

Daguerre era um oficial de alfândega e, posteriormente, um pintor de cenários na ópera. Em 1822, ele abriu um diorama em Paris - um enorme edifício com enormes pinturas no mesmo. Provavelmente no processo de criação e aperfeiçoamento dessas pinturas é que o incitou a iniciar experimentos em fotografia. Ele conhecia a câmara escura e a usou para fazer esboços da natureza, para criar uma ilusão de realidade em seu diorama.

Daguerre não inventou a fotografia (Niépce fez isso antes dele), mas ele a tornou prática e popular. Em 1829 ele negociou um contrato de desenvolvimento com Niépce para desenvolver o método de heliografia. Depois de 1829 e até sua morte em 1833 Niépce e seu filho Isidor, que se tornou parceiro de Daguerre após a morte do pai, não conseguiram desenvolver sua invenção. Mas Daguerre, que trabalhou de forma independente, foi em frente. Sua ideia era obter uma imagem em uma superfície brilhante de uma placa de prata tratada com vapores de iodo, que pela formação de iodeto de prata, se tornava fotossensível. Ele colocou a placa em uma câmara escura, expos, e revelou com vapores de mercúrio.

Ele teve resultados em 1837, após 11 anos de experiências. Ele fixou a imagem revelada com os vapores de mercúrio, banhando-a em uma solução forte de sal e água quente para fixar. Depois de 1839, ele mudou de sal no processo de fixação para hipossulfito de sódio – que havia sido descoberto por John Herschel. Como resultado, as partículas de iodeto de prata que não haviam sido influenciados pela luz eram dissolvidas. O tempo de exposição na câmara escura era entre 15 e 30 minutos (enquanto a heliografia de Niepce levava até 8 horas).

Daguerreótipo

Todo o processo produzia uma única foto - um positivo, um daguerreótipo como era chamado pelo autor. Era impossível produzir várias dessas placas. A imagem em uma placa ficava espelhada e só podia se ver bem em certa luz. Mas Daguerre, na obtenção de imagens daguerreótipo, "elaborado pela luz", conseguiu fazer não só a obra do artista, mas também a de um gravador. Foi esta característica que tornou o processo acessível e prático. Daguerre passeou pelas ruas de Paris com uma câmara pesada e equipamento volumoso, fez seus daguerreótipos em avenidas, despertando interesse nas pessoas, mas não explicou a essência de seu método.

Para obter lucro com sua descoberta Daguerre tentou primeiro criar uma corporação por subscrição pública. Após o fracasso desta, fez uma tentativa de vender a invenção por um quarto de milhão de francos. Mas nenhum dos "fazedores de dinheiro" comprou. Então Daguerre decidiu evocar o interesse dos cientistas e relatou a sua invenção a um astrônomo e físico bem conhecido e influente: Arago (Domènec Francesc Joan Aragó). Em 07 de janeiro de 1839 Arago relatou as obras de Daguerre à Academia Francesa e ofereceu ao governo francês a compra da patente. O anúncio da daguerrotipia foi uma sensação. As revistas científicas imprimiram o relatório de Arago. Daguerre se tornou amplamente conhecido exatamente por esta invenção, o Diorama era popular demais (personagens de Balzac o mencionaram como sensação mais de uma vez), mas havia se reduzido à cinzas exatamente alguns meses antes.

Daguerre mostrou daguerreótipos de vistas de Paris para escritores, pintores e editores de jornais, o que fez sua invenção popular, e ele pediu 200 mil francos para ele. Ao mesmo tempo, ele disse a Isidore Niépce que se o negócio fosse bem sucedido, ele iria dividir a soma entre eles. Mas ele não conseguiu vender a invenção. Então Arago convenceu Daguerre que uma pensão do governo francês lhe seria uma honra e uma recompensa nacional. A Daguerre foi concedida uma pensão vitalícia de 6 mil francos anuais e a Isidore Niépce - 4 mil francos. Daguerre foi também sagrado cavaleiro da Ordre National de la Legion d’honneur. No mesmo ano, ele obteve uma patente na Inglaterra.

Daguerre concentrou-se na popularização do processo daguerreótipo: organizou mostras para artistas e cientistas. Juntamente com um parente, A.Giroud começou a produzir câmaras daguerreótipo para venda. Metade do lucro foi para Giroud, a outra metade Daguerre dividiu entre ele e Isidor Niépce.

Mais tarde naquele ano Giroud publicou instruções de Daguerre sobre como usar sua câmara e todas as câmaras e as instruções foram vendidas em poucos dias. Esta instrução foi republicada por 30 vezes na França. Dentro de um ano, foi traduzido para muitas línguas e reimpressa nas capitais da Europa e EUA.

Logo cientistas, artistas e amadores desenvolveram o processo de Daguerre. Eles reduziram o tempo de exposição a vários minutos. Pela utilização de um prisma, foi possível obter uma imagem normal, não espelhada. Os daguerreótipos reproduziam o mais ínfimo detalhe dos objetos fotografados. Por volta de 1841 uma pequena câmara foi criada, e seu peso foi reduzido 10 vezes. Alguns meios para preservar a superfície do daguerreótipo de danos também foram criados.

A fama e o reconhecimento cresceram, com o seu método de obtenção de imagens espalhados pelo mundo. Mas depois de publicar os fatos sobre seu processo, Daguerre não trouxe nada de novo em fotografia. Ele viveu uma vida reclusa não muito longe de Paris até sua morte em 1851.

 
Artigos Artigos
Foto dicas para iniciantes Foto dicas para iniciantes
ABC da fotografia digital ABC da fotografia digital
   — Fotografar em diversas situações — Fotografar em diversas situações
   — Edição final — Edição final
   — Armazenar fotos — Armazenar fotos
   — Mais experiência! — Mais experiência!
História da fotografia História da fotografia
   — Como tudo começou… — Como tudo começou…
   — Niépce imagens — Niépce imagens
   — Imagens Talbot — Imagens Talbot
   — Imagens de Daguerre — Imagens de Daguerre
   — Desenvolvimento da fotografia — Desenvolvimento da fotografia
Importância da cor: O cérebro Importância da cor: O cérebro
   — Efeitos de cor dos carros — Efeitos de cor dos carros
   — Acidentes & importância da cor — Acidentes & importância da cor
   — Assunto, cultura & estilo — Assunto, cultura & estilo
Importância da cor: O corpo Importância da cor: O corpo
   — Importância na comida & apresentação — Importância na comida & apresentação
   — Bêbado tanque cor-de-rosa — Bêbado tanque cor-de-rosa
Cores Matters: Cor e visão Cores Matters: Cor e visão
   — Cores e a visão importam — Cores e a visão importam
   — Como o olho vê cor — Como o olho vê cor
Importância da cor: cor e design Importância da cor: cor e design
   — Cores verdadeiras e metameríssimo — Cores verdadeiras e metameríssimo
   — Сores hitóricas — Сores hitóricas
Cor e ciência  Cor e ciência
   — Sistemas de cores — Sistemas de cores
   — Cor eletromagnética — Cor eletromagnética
Importância da Cor: Cor e o Mundo Importância da Cor: Cor e o Mundo
   — Cor e usabilidade matérias — Cor e usabilidade matérias
   — Cor e energia — Cor e energia
Sobre a cor: cor e computadores Sobre a cor: cor e computadores
   — Sobre a cor no computador  — Sobre a cor no computador 
   — O camaleão da Web — O camaleão da Web

 

 

No começo da página

 

  English  | Français  | Deutsch  | Español  | Português(Br)  | Italiano  | 日本語  | Pусский  |
Facebook | Twitter | YouTube | Forum
© 2004-2017 AKVIS. Todos os direitos reservados. 
Política de privacidade